Três crianças, de 6, 11 e 12 anos, foram salvas de um afogamento no Guarujá, após serem arrastadas por uma corrente de retorno, na manhã da terça-feira (6), na Praia de Pitangueiras.




O Policial Militar Ambiental, Soldado PM Victor Hugo Aguiar, que completava 35 anos no dia, ouviu o grito de socorro e apesar de estar a cerca de 300 metros de distância, conseguiu nadar até alcançá-las e colocá-las na prancha, onde ficaram até a chegada de mais um surfista e da equipe do Grupamento de Bombeiros Marítimo.

“Eu sempre faço uma oração antes de sair de casa, pedindo para Deus guiar meus passos. Então, me veio na cabeça a vontade de ir surfar. Cheguei à praia por volta das 11h, peguei algumas ondas e parei para esperar as ondas diminuírem. Foi quando ouvi um grito de socorro e vi uma cabecinha se afogando, e depois mais duas. Comecei a furar as ondas até chegar nelas”, conta.




Primeiramente, o Soldado PM Victor Hugo colocou a criança mais nova em cima da prancha, e depois salvou os dois maiores. Ele lembra que, a todo momento, tentava acalmar o trio, que estava chorando, e orientou sobre o que eles deveriam fazer caso fossem atingidos por outra onda. Por estar em uma prancha pequena, na qual não cabiam as três crianças, ele precisou administrar a situação, até a chegada de ajuda.

“Eu sabia que seria impossível sair com os três do mar. Fiquei segurando eles, até que um outro surfista se aproximou e veio me ajudar. Passamos o maior ‘perrengue’, parece até que levei uma surra. Quando os guarda-vidas chegaram, nós saímos com os três do mar”, revela o policial.




“Ter a oportunidade de ajudar a salvar essa família foi o melhor presente de aniversário que poderia ter ganhado”. Ele revela que também tem um filho pequeno, e não se perdoaria se algo de ruim acontecesse ao trio. Logo após sair do mar, ele ganhou um abraço e um agradecimento da mãe das crianças.

“Foi muito gratificante. Eu estava no lugar certo e na hora certa. Acredito que foi Deus que me levou para aquela praia. É uma sensação maravilhosa saber que ajudei a salvar alguém”.

Fonte/colaboração: Sd. Cleon/Polícia Militar