MATÉRIA G1 – A primeira-dama do estado de São Paulo, Bia Doria, afirmou nesta sexta-feira (28) em uma reunião online do programa de voluntariado da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) que há pessoas em situação de rua que são “preguiçosas”.




“Ou é a bebida, ou é desamor em casa, ou é algum problema químico e as pessoas vão para a rua. E também tem os preguiçosos que a gente sabe, mas a gente não pode falar, tem que só ajudar”, disse a primeira-dama.
A declaração foi dada quando Bia Doria detalhava as ações da Campanha do Inverno Solidário, a qual lidera, durante uma reunião do programa de voluntariado da Sabesp.

Em nota, a assessoria de Bia Doria disse que a frase “foi tirada de contexto” e que a primeira-dama “tem muito respeito pelas pessoas que moram na rua”.

“A frase de Bia Doria foi tirada de contexto. Em uma reunião virtual de mais de uma hora de duração do programa de voluntariado da Sabesp, a presidente do Fundo Social detalhou todas as ações da Campanha do Inverno Solidário liderada por ela, que este ano bateu recorde de doações distribuindo 154 mil cobertores novos para a população em situação de rua em todo Estado. Na mesma ocasião Bia Doria explicitou que ‘cada morador de rua tem um problema grande e diverso’ e explicou que junto à sua equipe de assistentes sociais trabalha diariamente para ajudar estas pessoas e encaminhar cada caso para o atendimento adequado. Bia Doria tem muito respeito pelas pessoas que moram na rua.”




Gravado no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, o vídeo da entrevista foi publicado em uma rede social e se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter.

“Mas olha, falando dos projetos sociais, algo muito importante é assim: as pessoas que estão na rua, não é correto você chegar lá na rua e dar marmita e dar porque a pessoa tem que se conscientizar que ela tem que sair da rua. Porque a rua hoje é um atrativo, a pessoa gosta de ficar na rua”, afirma Bia Doria.

Em outra ocasião, no início de julho, em uma entrevista à socialite Val Marchiori, a primeira-dama afirmou que marmitas não deveriam ser doadas a moradores de rua porque “as pessoas gostam de ficar na rua” e elas “têm que se conscientizar e sair dessa situação”.