MATÉRIA G1 – Quase 2 mil ligações clandestinas na rede elétrica, conhecida popularmente por “gato”, foram identificadas durante o primeiro semestre de 2020 nas regiões de Itapetininga, Sorocaba e Jundiaí (SP). (IMAGEM ILUSTRATIVA).


Fraudes na região de Sorocaba e Jundiaí

  • Sorocaba – 865 fraudes
  • Jundiaí – 322 fraudes
  • Indaiatuba – 314 fraudes
  • Itu – 250 fraudes
  • Campo limpo paulista – 166 fraudes





Segundo a concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica na região, a energia furtada com essas ligações poderia abastecer mais de 100 mil casas durante um mês.

Conforme a companhia, uma das consequências das fraudes e furtos é a piora na qualidade do serviço de distribuição de energia, pois as ligações clandestinas sobrecarregam as redes elétricas causando choques, incêndios ou acidentes. Por conta disso, a empresa está disponibilizando um canal para denúncias de “gato”.

Segundo a empresa, o volume obtido em mais de 37 mil inspeções seria suficiente para abastecer 108 mil casas na região de Sorocaba e Jundiaí. Já em Itapetininga, as mais de 850 inspeções seriam suficientes para abastecer 6,8 mil residências durante o mês.


Com a ação, a empresa consegue preventivamente identificar algumas variações no consumo de energia elétrica que indiquem perdas comerciais, permitindo diminuir a necessidade de inspeções no local. De acordo com Renato Lucas de Freitas, gerente de serviços comerciais da CPFL, a prática é considerada um crime e as penas podem chegar a até quatro anos de prisão aos fraudadores que forem flagrados.

“Além de ser um crime previsto no código penal, com pena de até quatro anos de prisão, a pessoa que for flagrada cometendo a irregularidade deverá pagar o consumo retroativo ao que deixou de pagar pelo fornecimento”, explica. Segundo ele, as irregularidades como “gatos” de energia podem deixar a conta de energia mais cara para todos os consumidores.


“Em 2020, o número registrado contra fraudadores cresceu aproximadamente mais de 130% e essas irregularidades também podem deixar a conta de energia mais cara para todos os outros consumidores, já que a Aneel reconhece esse ato como perda comercial e este valor é revertido para a empresa e consequentemente para tarifa de energia”, continua.

Clientes da CPFL Piratininga e Santa Cruz (SP), responsáveis pela distribuição de energia, podem contribuir, de forma sigilosa, para combater irregularidades por meio dos canais disponibilizados pela concessionária. Denúncias podem ser feitas pelo aplicativo “CPFL Energia”, disponível para todas as plataformas de dispositivos móveis e pelo site. A ação tem apoio de órgãos públicos e autoridades policiais.