Depois de 84 dias de internação, a promotora de vendas Priscila Silva dos Santos, de 35 anos, recebeu alta hospitalar em Santos, no litoral de São Paulo. Ela passou 60 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e perdeu o filho no 8º mês de gestação devido a complicações da Covid-19. Em entrevista ao G1 nesta quinta-feira (30), o marido dela, o autônomo Thiago Martins de Maria, de 36 anos, relatou como a recuperação da esposa foi emocionante para toda a família.


Priscila foi internada no dia 6 de maio no Hospital Ana Costa. Ela estava grávida de oito meses e testou positivo para Covid-19. A promotora de vendas tem bronquite asmática, mas há anos não tinha crise, segundo explica o marido.

“Eu, ela, nosso filho de 7 anos, minha sogra e sogro e meus três cunhados pegamos Covid-19. Só que ela foi a que ficou pior”, conta Thiago. Segundo explica, quando ela foi internada, a família acreditou que não seria nada tão demorado ou grave. Porém, no dia 7 de maio, Priscila já foi encaminhada para a UTI e entubada.




“No dia 8, eles estabilizaram ela e fizeram o parto, mas infelizmente o bebê já estava sem vida, por insuficiência respiratória. Os médicos nos falaram que foi por conta das complicações da Covid-19. Ele foi um bebê planejado e muito desejado, se chamaria Miguel. Perdê-lo foi muito dolorido para a gente. Estava tudo pronto para receber ele, tudo comprado, roupa, berço, carrinho”, conta o marido.

De acordo com Thiago, dos 84 dias em que ficou internada, Priscila passou 40 deles em coma e 60 na UTI. Foram dias difíceis para ele e o filho. “Passei dias sem trabalhar, porque estava muito preocupado com toda a situação”, conta. Além disso, ele e o filho ficaram em quarentena porque também pegaram a doença.

“Ela foi muito guerreira, a gente chegou a ficar desanimado, sem acreditar mais, porque só recebíamos boletins ruins. Até então, ela não reagia a medicação nenhuma. Teve duas paradas cardíacas, convulsão e trombose. O que os médicos diziam muito para a gente era ‘se apega a Deus’, e foi o que fizemos, oramos. Sofremos muito, foram dias muito angustiantes”, diz.