Durante 49 anos, Arnaldo foi doador de sangue e acumulou mais de 700 registros em uma instituição de Salvador. Ele recebeu uma homenagem pela sua última contribuição para o banco de sangue da Bahia. Arnaldo completa 70 anos, no próximo dia 22 e, por lei, não poderá mais doar sangue.




Um dos seus maiores orgulhos é a ver que em sua carteirinha consta o registro da data da primeira doação de sangue: 29 de janeiro de 1971. “Fui chamado por um colega para doar sangue, porque o pai dele iria fazer uma cirurgia, e estava precisando de doadores. Quando cheguei, comecei a fazer perguntas ao médico que estava de plantão e ele me mostrou a importância da doação. Então, eu continuei”, disse Arnaldo.

Após a primeira doação, os registros continuaram. Nesses 49 anos, Arnaldo fez 294 doações de sangue e 444 de plaquetas. Pela estimativa da instituição, Arnaldo deve ter ajudado cerca de 4 mil pessoas. Em sua última doação de plaquetas, no dia 15 desse mês, Arnaldo recebeu uma placa de agradecimento. Ele ainda poderá fazer doações, mas não de forma voluntária. Agora é somente em casos especiais, onde ele receberá autorização do médico.

(Fonte: Razões Para Acreditar/Foto: Reprodução)