Rogéria é professora, nascida em Minas Gerais, mas mora no Espírito Santo há 13 anos. Ela começou a praticar o Amigurumi, uma técnica japonesa para criar pequenos bonecos de crochê em 2012, quando venceu o câncer. Ao longo dos anos foi aperfeiçoando, até que chegou nas bonequinhas Vida.




O trabalho da Rogéria pode ser visto no perfil do IG: @bonecavida

As primeiras doações foram para a Associação Capixaba contra o Câncer Infantil (Acacci). De lá para cá ela não parou mais e agora já envia suas peças para fora do estado. “O que mais me marca são as crianças, quando vão para quimioterapia, terem a alegria de brincar com a Vida, mesmo com todo o tratamento”, diz Rogéria.

Em 2018, ela conta que fez um vídeo pedindo ajuda com os materiais. Em pouco tempo recebeu contato de diversos lugares. “Comecei a receber ligações de todas as partes do mundo de pessoas querendo me doar linhas para ajudar. Nós criamos uma verdadeira corrente do bem”.

Hoje, Rogéria já conta com uma equipe e chega a produzir 680 bonecas por ano. Ela ensina a técnica Amigurumi para detentas na Penitenciária de Segurança Média de Viana e em troca, as alunas ajudam na produção da Vida.

“Eu falo para os meus alunos: ‘todas as vezes que estiverem tecendo uma boneca, não importa sua religião, faça cada ponto pedindo a Deus para que esta vida chegue às mãos de cada criança levando vida literalmente’”, finaliza.

Todo o trabalho da professora está disponível na conta do Instagram @bonecavida.

(Fonte: Razões Para Acreditar/Imagem: Reprodução Instagram)