Cálculo do Ibre aponta que a taxa subirá de 11,6% para 16,1% no segundo trimestre. Isso significa que 5 milhões de pessoas vão perder seus postos de trabalho em apenas três meses, chegando ao maior contingente da história.

O Covid-19 abalou o sistema de saúde, mas também bateu forte na economia brasileira. Economistas calculam que o Produto Interno Bruto (PIB) nacional pode cair até 4,4% neste ano. E lembram que esse baque vai afetar diretamente o mercado de trabalho brasileiro, que já não andava bem. O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre) calcula que a taxa de desemprego do Brasil pode pular dos atuais 11,6% para 16,1% já neste trimestre. Isso significa que 5 milhões de pessoas podem entrar na fila do desemprego em apenas três meses, elevando de 12,3 milhões para 17 milhões o número de pessoas sem trabalho no Brasil.

Se confirmada, essa previsão levará o mercado de trabalho brasileiro ao pior momento da série histórica, pois, nem no auge da recessçai de 2015 e 2016 tanta gente ficou sem emprego. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o recorde foi registrado em março de 2017, quando a taxa de desocupação bateu 13,7%, com 14,1 milhões de brasileiros sem trabalho

Empresários admitem que a perda de receita causada por esse momento de pandemia vai levar ao fechamento de inúmeros postos de trabalho, mesmo depois das medidas de socorro anunciadas pelo governo federal. Afinal, milhões de negócios precisaram fechar as portas por conta da necessidade de isolamento social e, por isso, tiveram uma queda de quase 100% da receita.